Pastor sequestrado em Mianmar é encontrado morto

A GFA informa que em 19 de janeiro Nu foi tirado de sua casa por cinco homens que teriam dito a ele que eles só queriam interrogá-lo

Por Redação em 07/02/2019 às 08:11:54

Um pastor em Mianmar que liderou várias igrejas foi encontrado morto depois de ter sido sequestrado em sua casa sob a mira de armas no mês passado, confirmou a organização missionária Gospel for Asia (GFA, sigla em inglês), organização sem fins lucrativos.

O pastor Tun Nu, que foi um dos parceiros do campo missionário da GFA no estado de Rakhine, foi confirmado como morto junto com outros que foram sequestrados por uma facção que se acredita ser um exército rebelde, de acordo com um comunicado de imprensa da organização sem fins lucrativos. Sua morte foi relatada em 1º de fevereiro.

Tun, de 41 anos de idade, pastoreou uma congregação de cerca de 50 membros no distrito de Sittwe, no estado de Rakhine, no sudoeste do país, que é conhecido pelo conflito de Rohingya e pelo genocídio de Rohingya cometido pelas forças militares de Mianmar em 2017.

De acordo com a GFA, Tun serviu como pastor em Mianmar por duas décadas e é uma das centenas de pessoas que se converteram e estabeleceram igrejas naquela região. Desde a sua entrega a Cristo, Tun foi escolhido para discipular 12 diferentes comunidades na área.

A GFA informa que em 19 de janeiro Nu foi tirado de sua casa por cinco homens que teriam dito a ele que eles só queriam interrogá-lo 

O pastor deixa uma esposa e três filhos.

"Estamos de coração partido ao saber da morte do Pastor Tun e pedimos que se unam a nós em oração por sua esposa, família e igreja neste momento, para que possam conhecer o conforto, paz e força de Deus", disse o fundador e diretor da GFA, KP Yohannan.

De acordo com a GFA, a morte e o sequestro do Pastor Nu são o primeiro incidente deste tipo a acontecer com um ministério apoiado pela GFA em Mianmar. A GFA é afiliada a mais de 500 congregações no país. 

"Todos os irmãos e irmãs no campo sabem que, como Jesus disse, eles saem como "ovelhas entre lobos"", explicou Yohannan. "Como o Pastor Tun, eles estão dispostos a dar a vida, se necessário, para compartilhar o grande amor de Deus com aqueles que ainda não ouviram a Boa Nova".

Desde a notícia da morte do Pastor Nu, a igreja apoiada pelo GFA em todo o Mianmar aceitou uma oferta para apoiar a família do Pastor Tun.

De acordo com a organização sem fins lucrativos International Christian Concern (ICC, sigla em inglês), com sede nos EUA, a polícia local e as forças do governo não conseguiram localizar o paradeiro do pastor durante as duas semanas em que ele estava desaparecido. A GFA informou no final do mês passado que não havia recebido nenhum pedido de dinheiro ou resgate.

Um pastor local que escolheu permanecer anônimo disse à ICC que as pessoas no distrito estavam "com muito medo" de procurar pelo Tun. O pastor afirmou que a comunidade não recebeu "qualquer ajuda na busca por ele".

A gerente regional da ICC, Gina Goh, pediu às autoridades em Mianmar que responsabilizem os assassinos de Tun.

"Nossos corações se afundaram com a notícia devastadora da morte do Pastor Tun Nu", disse Goh em um comunicado. "Instamos as autoridades a investigar e levar à justiça os perpetradores que acham que podem escapar, mesmo se derramarem sangue de inocentes. Nossas orações sinceras vão para os entes queridos do Pastor Tun Nu, especialmente para sua esposa e três filhos pequenos".    

A violência continua a estragar o estado de Rakhine, enquanto os insurgentes continuam a pressionar por uma maior autonomia para os budistas étnicos da região.

Fonte: The Christian Post